Saúde

Amazônia inaugura primeiro Centro de Medicina Indígena

Imprimir
Sexta, 09 Junho 2017
Acessos: 747
Compartilhar

“Eu estou muito feliz, essa é a nossa vida, esses são nossos conhecimentos", disse o kumu Manoel Lima, da etnia Tuyuka

O primeiro Centro de Medicina Indígena da Amazônia, chamado de Barserikowi'i, começou a funcionar nesta terça-feira (6), em Manaus. No local, especialistas indígenas do Alto Rio Negro, de diversas etnias que dominam o conhecimento do Bahsese, que significa benzimento, vão oferecer um tratamento diferenciado para indígenas e não-indígenas.

João Paulo Barreto, Ivan Barreto e o Kumu Duhpó Manoel Lima / Alberto César Araújo/Amazônia Real

O projeto foi idealizado por João Paulo Barreto, da etnia Tukano, que é doutorando em antropologia pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

“Esse projeto começou a partir das várias experiências da nossa vida: pessoais e acadêmicas. Estamos começando um trabalho, um modelo diferente daquele que a gente está acostumado a ver quando se fala de saúde, que é o modelo ocidental, de hospital. Aqui é um modelo diferente, pautado dentro dos nossos princípios. As pessoas vão ter a oportunidade de se tratar com as técnicas e as concepções indígenas”, disse o antropólogo.

O prédio onde funciona o Centro de Medicina Indígena foi cedido pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab). O ambiente foi decorado com objetos e artesanatos indígenas.

A sala de atendimento possui uma mesa e dois pequenos bancos feitos de madeira e palha. A consulta vai custar R$ 10 e o valor do tratamento vai depender do tipo de enfermidade diagnosticada.

O antropólogo explica quais técnicas os especialistas, chamados de Kumu, vão utilizar.

“Nós temos técnicas de tratamento, sobretudo, de duas formas: primeiro pelo Bahsese, outro pelas plantas medicinais. Bahsese é esse modelo que é acionado dentro de um elemento, pode ser água, tabaco, cigarro, urtiga, no qual o Kumu, ou benzedor, aciona os princípios curativos contidos nos vegetais. Quando ele faz isso ele não está rezando, ele está evocando esses princípios para curar doenças. Por isso, ele tem que dominar o conhecimento de animais e vegetais”.

O kumu Manoel Lima, da etnia Tuyuka, tem 85 anos, é especialista em dores musculares e de cabeça, tratamento pós-parto e pós-cirúrgico. Ele afirma que está feliz com a oportunidade de ajudar as pessoas com seus conhecimentos no Barserikowi'i .

“Eu estou muito feliz, essa é a nossa vida, assim que nós vivemos, esses são nossos conhecimentos. Essa casa representa isso, é porta-voz dos nossos conhecimentos”.

O Centro de Medicina Indígena da Amazônia vai funcionar de 9h às 13h. Também serão oferecidas, no espaço, oficinas e palestras de culinária, de línguas e cosmologia, por exemplo, com o apoio do Núcleo de Estudo da Amazônia Indígena da Ufam.

Fonte: Brasil de Fato

 

Compartilhar

Copyright © 2017 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.