Urgente

Petroleiros promovem um “Black Friday” de protesto

Imprimir
Sexta, 29 Novembro 2013
Acessos: 1368
Compartilhar

 

Nesta sexta-feira (29/11), o Sindipetro-RJ e ativistas dos movimentos sociais, realizaram um escracho em praça pública no Rio de Janeiro contra discriminações aos aposentados e contra o leilão de petróleo

 

O protesto foi em defesa dos petroleiros aposentados, pensionistas e anistiados da Petrobrás, que, segundo denúncia dos dirigentes do Sindipetro-RJ, estão sendo discriminados pela empresa nos sucessivos Acordos Coletivos de Trabalhos (ACT).

 

O ato, que foi na esquina da rua São José com a Avenida Rio Branco, Centro do Rio, ganhou um tempero a mais, pois se realizou nesta sexta-feira (ou na “Black Friday”, segundo o mercado no Brasil - uma cópia do que é realizado nos Estados Unidos). Os diversos discursos destacaram que o Governo Dilma realizou um Black Friday (ou liquidação) com as nossas áreas exploratórias no 12º Leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP), que foi concluído nesta sexta-feira com a concessão de áreas exploratórias de gás de xisto, de alto potencial de contaminação ao meio ambiente, à saúde humana e animal.

 

Os ativistas distribuíram um manifesto com várias denúncias contra a presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster; da diretora da ANP, Magda Chambriard; e incisivas críticas à presidente Dilma Rousseff, que foi acusada de ser uma fraude eleitoral, uma vez que fez o 1º Leilão do Pré-sal, quando em plena eleições de 2010 dizia que leiloar o pré-sal “é crime” contra o país. Agora, Dilma fez o 12º Leilão de Petróleo, muito criticado pelos riscos ao meio ambiente com a utilização da técnica de fracking (fratura de rochas).

 

O diretor do Sindipetro-RJ, Emanuel Cancella, em seu discurso informou ao público que vários escrachos serão realizados todas sexta-feira, em diversas praças públicas, no Rio de Janeiro. Os escrachos têm como objetivo denunciar as discriminações praticadas pela Petrobrás contra os aposentados, pensionistas e anistiados. Tal prática da empresa perdura por 17 anos, sublinhou Cancella. Os escrachos têm ainda em pauta denúncias contra o processo de privatização do Governo Dilma.

 

 

O petroleiro anistiado político e diretor do Sindipetro-RJ, Francisco Soriano, leu para o público o manifesto, e que foi distribuído para a população. Ele disse que “o leilão de Libra foi um crime contra o Brasil. Entregamos no leilão da ANP um campo que tem capacidade de produzir cerca de 15 bilhões de barris de petróleo, e que vale cerca de US$ 15 trilhões. No leilão da ANP, Libra foi vendido ao correspondente a um dólar por barril”.

 

O diretor do Sindipetro-RJ, Edison Munhoz, destacou que esses leilões de petróleo, as privatizações, entre outras medidas, são práticas que visam atender à máquina do capitalismo contemporâneo, que espalha miséria e sofrimento pelo mundo. Lembrou de lideranças, como Leonel Brizola, que destacavam que o Brasil, infelizmente, tem tido uma política do “toma lá dá cá” com o nosso patrimônio público. Ele disse que o leilão de xisto, concluído nesta sexta-feira, é um crime contra a vida humana e o meio ambiente.

 

Para a diretora do Sindipetro-RJ, Fabíola Mônica, o leilão do gás de xisto “é contra a vida e meio ambiente”, pois as reservas desse tipo de gás estão abaixo dos aquíferos, e destacou o Guarani.

 

Clique na imagem para ler a íntegra do manifesto

 

 

Confira também a reportagem da TV Petroleira

 

Fonte: Agência Petroleira de Notícias.

 

Fotos: Samuel Tosta.

Compartilhar

Copyright © 2017 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.